Tentaremos não exibir esse anúncio novamente
Anúncio fechado por

Novo Acordo Ortográfico

Data: 11.01.2016

Muito se falou sobre o Novo Acordo Ortográfico e alguns até duvidaram de que ele realmente seria efetivado. O fato é que agora é pra valer. Foi dada a largada em 1º de janeiro de 2016, lembrando que a sua implementação no Brasil seguiu os seguintes parâmetros:

  • 1990 – O Novo Acordo Ortográfico foi assinado, mas não houve uma implementação oficial.
  • 2009 – Vigência ainda não obrigatória.
  • 2010 a 2012 – Adaptação completa dos livros didáticos às novas regras.
  • 2013 – Vigência obrigatória em todo o território nacional, mas, como houve  muitas polêmicas e críticas,  o governo adiou o prazo.
  • 2016 – Término do prazo de adaptação e vigência obrigatória do Novo Acordo.

Como a sequência das datas acima mostra, querendo ou não, todos deverão seguir as novas regras, pois o prazo para a adaptação acabou. As mudanças principais são o fim do trema, alterações da forma de acentuar palavras com ditongos abertos e que sejam hiatos, supressão dos acentos diferenciais e dos acentos tônicos, novas regras para o emprego do hífen e inclusão das letras w, k e y ao idioma. A única possibilidade agora é escrever ideia, assembleia, onomatopeia, jiboia, voo, enjoo, linguiça, tranquilo, contrarregra, ultrassonografia, micro-ondas, micro-organismo etc. A grafia correta das palavras, conforme as regras do Acordo, podem ser consultadas no Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa (VOLP), disponível no site da Academia Brasileira de Letras (ABL). Não espere encontrar por lá o significado delas, pois o que eles disponibilizam é um vocabulário e não um dicionário.

A explicação mais usada para o Novo Acordo é a unificação ortográfica (restringe-se à língua escrita, não afetando aspectos da língua falada) da Língua Portuguesa em todos os países da CLP (Comunidade de países de Língua Portuguesa): Brasil, Portugal, Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Cabo Verde, Timor Leste e São Tomé e Príncipe. A grande pergunta é: se a língua é a expressão cultural de identidade de cada povo por excelência, patrimônio de cada um de nós e, como um organismo vivo, se modifica ao longo do tempo conforme influências e premências diversas, como se pode unificá-la e impor mudanças aos seus falantes naturais? Da mesma forma com que a norma culta é imposta para que se possa escrever de modo inteligível a todos, restringindo coloquialismos, regionalismos e variantes que poderiam atrapalhar a comunicação em larga escala, o Novo Acordo veio para que os 9 países tenham maior integração entre si e mais expressividade no cenário mundial.

Com a unificação linguística alcançaremos maior representatividade e prestígio social da língua no cenário internacional. Na ONU, por exemplo, somente a partir de 2008 começou a haver tradução simultânea e possibilidade do Português ser utilizado nas intervenções de abertura e debate geral. O mercado editorial se ampliará e o lucro será maior ao se poder publicar uma mesma obra nos 9 países, uma vez que a Língua será uma e facilitará divulgação do idioma e respectiva literatura.

Não é necessário que haja aversão às alterações. A reclamação de muitas pessoas é que, depois de internalizada uma regra, é difícil desaprendê-la. Com a intenção de tornar tudo isso mais fácil, publicarei semanalmente algumas explicações aqui específicas do Novo Acordo, pois acredito que a melhor maneira de adaptação é aprender pouco a pouco. Sabe aquela história: devagar se vai ao longe? Pois é, penso que o ensinamento adquirido gradativamente é melhor assimilado. O segredo é estudar e ficar em contato com as novas regras ortográficas da  língua portuguesa. Parabéns, o primeiro passo foi dado, você está no lugar certo!

Obs.: Tenha sempre por perto um manual resumido do Novo Acordo. Ficou em dúvida? Consulte-o na mesma hora. Com o tempo, as consultas diminuirão e todo o conteúdo será assimilado com facilidade.

hífen-acordo-ortográfico1hífen novo acordo ortográficohífen-acordo-ortográficonovo-acordo-ortográfico2vogalduplicadablog42acento-diferencialvice-e-ex blog631

 

INSTAGRAM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

TIRINHAS

TATUAGENS

POESIA DA RECLAMAÇÃO

CITAÇÕES

50 DÚVIDAS MUITO COMUNS NA LÍNGUA PORTUGUESA

REDAÇÃO ENEM

O USO DOS PORQUÊS

SUFIXO FILIA

NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO

NOSSA LÍNGUA MERECE CUIDADOS

IMPORTÂNCIA DA LÍNGUA PORTUGUESA

FORMAÇÃO DE PALAVRAS

DEMAIS | DE MAIS

COLOCAÇÃO PRONOMINAL

CÉU EM LISBOA

ADJUNTO ADNOMINAL E COMPLEMENTO NOMINAL

ORAÇÕES COORDENADAS E SUBORDINADAS

ADJUNTO ADVERBIAL

CLASSE GRAMATICAL E FUNÇÃO SINTÁTICA

50 QUESTÕES DA LÍNGUA PORTUGUESA

BIBLIOTECAS

COMPREENDER DETERMINADOS TEXTOS

COLOCAÇÃO DOS DEMONSTRATIVOS

LIVROS

23 Comentários

  1. Iara faria 14 de janeiro de 2016 at 17:06 - Reply

    Sou fã das suas publicações, sou sua fã, pois alguém dedicar tempo Última Flor do Lácio é o máximo. Deus abençoe sua caminhada.

  2. Wilma silva 14 de janeiro de 2016 at 17:32 - Reply

    Excelente divulgação!
    Por favor, corrijam a palavra “diferenciais”, na quarta linha do segundo parágrafo.
    Abraços

    • Céu Marques 15 de janeiro de 2016 at 19:30 - Reply

      Correção feita, Wilma! Muito obrigada.

  3. Ramos 14 de janeiro de 2016 at 19:44 - Reply

    Ainda discordo dessas mudanças. Perde-se característica, identidade. Outras línguas não mudariam para facilitar o aprendizado para outros falantes ou unificar. A pior mudança, ao meu ver, é a mudança na acentuação.

    • Juarez belém 4 de março de 2016 at 21:37 - Reply

      A língua pode ser considerada um símbolo da Pátria, e, como não se mexe na bandeira, também não devia se alterarem as regras gramaticais.

  4. GAL 14 de janeiro de 2016 at 22:21 - Reply

    Não endendo a necessidade destas mudanças. Quando ainda vemos escrito concerteza.

  5. dalcira costa 14 de janeiro de 2016 at 22:43 - Reply

    Muito bom, fiquei super ligada agora.

  6. Régia cirlene 15 de janeiro de 2016 at 05:59 - Reply

    Muito obrigada

  7. Juliana Rabello 15 de janeiro de 2016 at 10:00 - Reply

    Descobri por um acaso o blog e preciso dizer: estou AMANDO.
    Parabéns!

  8. Marcy Cruz 25 de janeiro de 2016 at 19:07 - Reply

    Muito Obrigada!

  9. Marlene alves 28 de janeiro de 2016 at 14:49 - Reply

    Descobri esse blog através de uma amiga, estou MARAVILHADA com tanta informações….

  10. Marlene alves 28 de janeiro de 2016 at 14:51 - Reply

    Muito obrigada.

  11. Gilcimar do Nascimento Gonçalves 30 de janeiro de 2016 at 20:09 - Reply

    Estou tendo grande proveito, realmente encantada, pois proporciona uma praticidade e facilidade no aprendizado…

  12. FLAVIA15 4 de fevereiro de 2016 at 15:50 - Reply

    Bem difícil assimilar as novas regras!

  13. madalena 13 de fevereiro de 2016 at 23:32 - Reply

    “O fato é que agora é pra valer.” Corrigir o “pra”. O fato é que agora é para valer. Excelente a resenha sobre o uso ou não do hífen.

    • Céu Marques 15 de fevereiro de 2016 at 10:42 - Reply

      Madalena, o termo “pra” não está errado. É a contração da preposição (para) + o artigo (a). Assim como falamos: nesta, nisso, numa, num etc.

      • Madalena 17 de fevereiro de 2016 at 15:39 - Reply

        Céu Marques, em Portugal não está consagrado o uso de “pra” na linguagem escrita, salvaguardando o caso da poesia.. Percebi que no Brasil é diferente, daí as minhas desculpas. Quanto a ser contração de preposição e artigo/pronome não me parece, pois não falamos de “prà”. Penso haver apenas a síncope da vogal “a”. Um abraço!

  14. Gugusta Da silva 16 de fevereiro de 2016 at 21:53 - Reply

    Graças a Deus! Muita voisa vai mudar.

  15. Guimaraes 23 de fevereiro de 2016 at 16:31 - Reply

    DESCOBRI ESSE BLOG, ESTOU ENCANTADA COM MUITAS DICAS.
    PARABÉNS

  16. Daisy vasconcelos 16 de março de 2016 at 17:21 - Reply

    Inicialmente parabéns pelo Blog! Tem sido uma ótima fonte de consulta.
    Sobre o acordo ortográfico, apenas uma observação ilustrativa: nem todos os países do continente africano assinaram. Isso significa que a ideia de unificação da escrita não vai muito adiante.
    Abraços

  17. Debora 22 de março de 2016 at 22:17 - Reply

    Eu quero e preciso continuar aprendendo. Muito Obrigada Céu Marques.
    Débora Moreno, Niterói, RJ

  18. Maria Estela 29 de março de 2016 at 19:58 - Reply

    Adorei! Precisamos de muitos exercícios mesmo, quanto mais , melhor!

  19. CLARICE JUSTO 29 de março de 2016 at 22:47 - Reply

    NOSSA… VAI SER MEIO DIFÍCIL PRA MIM… TENHO 65 ANOS.. E APRENDI COM O MÉTODO CONVENCIONAL…….
    AMO LER E ESCREVER, MAS ACREDITO QUE AOS POUCOS VOU MENORIZANDO…ESPERO NÃO ENCONTRAR MUITA DIFICULDADE.

Deixe um comentário