Figuras de Linguagem são recursos do nosso idioma para tornar as mensagens que emitimos mais expressivas e significativas. A divisão das figuras de linguagem é feita da seguinte maneira: de som, de sintaxe ou de construção, de pensamento, de palavras ou de estilo. Vamos estudar isoladamente cada uma delas.

Figuras de Som

  • Onomatopeia – Ocorre quando se tentam reproduzir na forma de palavras os sons da realidade.
  • Aliteração – Consiste na repetição de consoantes.
  • Assonância – Consiste na repetição ordenada de sons vocálicos idênticos.
  • Paronomásia – Utilização de palavras parônimas (significado diferente e pronúncia parecida).

Figuras de Sintaxe ou de Construção 

  • Elipse –  Omissão de um termo que pode ser subentendido no texto.
  • Hipérbato – Inversão da ordem direta dos termos da oração.
  • Anacoluto – Consiste na mudança da construção sintática no meio da frase.
  • Anáfora – Repetição de uma ou mais palavras no início de várias frases.
  • Polissíndeto – Repetição enfática dos conectivos. 
  • Assíndeto – Ausência dos conectivos. 
  • Pleonasmo – Repetição de palavras, em uma mesma oração, que tem o mesmo significado.

Figuras de Pensamento 

  • Eufemismo – Troca de um termo por outro mais leve, com o intuito suavizar uma notícia.
  • Hipérbole – Exagero intencional ao contexto.
  • Antítese – Uso de termos, em uma mesma oração, que possuem sentidos contrários.
  • Ironia –  Utilização proposital de termos que manifestam o sentido oposto do seu significado.
  • Personificação ou prosopopeia – Atribuição de sentidos racionais a elementos irracionais.
  • Gradação – Encadeamento de ideias que pode seguir uma ordem crescente ou uma ordem decrescente.
  • Paradoxo – Refere-se a algo “contrário ao que se pensa”, fugindo do senso comum e até mesmo refletindo a falta de nexo.
  • Apóstrofe – Uso da invocação de algo ou alguém para manifestar algum sentido ao contexto.

Figuras de Palavras

  • Metáfora – Substituição de termos que possuem significados diferentes, atribuindo a eles o mesmo sentido.
  • Metonímia – Substituição de uma palavra por outra próxima. É o uso da parte pelo todo.
  • Catacrese – Atribuição de um “nome” a algo que não possui um nome específico, fazendo referência a outras coisas e objetos.
  • Sinestesia –  Cruzamento de diferentes sentidos humanos. Mistura das sensações.
  • Antonomásia –  Utilização de uma expressão com muitas palavras para se referir àquilo que poderia ser dito com poucos ou apenas um termo.
  • Comparação – Aproximação entre dois ou mais elementos que apresentam uma característica em comum.

Temos ainda os vícios de linguagem que, ao contrário das figuras de linguagem, são palavras ou construções que vão de encontro às normas gramaticais. Geralmente os vícios de linguagem ocorrem por descuido, ou por desconhecimento das regras gramaticais por parte do emissor.

Figuras de Linguagem – Representam realce e beleza às mensagens emitidas.
Vícios de Linguagem – Desconstroem as normas gramaticais.

Alguns exemplos de vícios de linguagem: barbarismo, solecismo, ambiguidade, cacofonia, eco, hiato, colisão, arcaísmo, parequema, prolixidade, preciosismo, plebeísmo, redundância (tautologia), estrangeirismo.

Optei em não colocar exemplos, pois preferi elaborar o exercício abaixo com gabarito. Depois de estudar todas essas informações, identifique  a figura de linguagem presente em cada frase abaixo. Vale lembrar que citei 25 figuras de linguagem. São 25 frases, logo há um exemplo de cada. Bom estudo a todos!

  1. Grande pátria desimportante!
  2. Eles levam um país inteiro nas costas.
  3. Minha prima sempre se achou bonita, linda, deslumbrante.
  4. Sou um mulato nato / No sentido lato (…)
  5. A prova, os alunos, na semana passada, fizeram.
  6. Cuidado: material relacionado a bovinos em frente. Olhe onde pisa.
  7. O Woodstock se apaixonou por uma minhoca. É como se eu me apaixonasse por um saco de ração.
  8. Se o dirigente fosse diligente, não haveria tanto incumprimento de prazos.
  9. No mar, tanta tormenta e tanto dano.
  10. Eu cometi um milhão de erros.
  11. Deus! Ó Deus! Onde estás que não respondes?
  12. Quebrei o bracinho da tampinha da caneta Bic.
  13. Ela sentiu o sabor frio da derrota.
  14. Segue o seco sem sacar que o caminho é seco.
  15. Ele tem duzentas cabeças de gado em sua fazenda.
  16. Emília espalhou o pó de pirlimpimpim e plim, plim, a mágica aconteceu.
  17. Meu filho não quer trabalhar, nem estudar, nem ser autônomo, nem ser independente.
  18. Ele me sorriu um sorriso pontual.
  19. As folhas bailavam alegremente quando o vento passava por elas.
  20. E a palavra pesada abafa a ideia leve.
  21. Era uma estrela tão alta! Era uma estrela tão fria! Era uma estrela sozinha luzindo no fim do dia.
  22. Meu pai, as leituras deixavam-no acordado a noite toda.
  23. O Poeta dos Escravos morrei na flor dos anos.
  24. Fale mais alto, lá da esquina ainda não dá para ouvir.
  25. Tens casa, tens roupa, tens amor, tens família.

Gabarito:

1. paradoxo 2. metáfora 3. gradação 4. assonância 5. hipérbato 6. eufemismo 7. comparação 8. paronomásia 9. elipse 10. hipérbole 11. apóstrofe 12. catacrese 13. sinestesia 14. aliteração 15. metonímia 16. onomatopeia 17. polissíndeto 18. pleonasmo 19. prosopopeia 20. antítese 21. anáfora 22. anacoluto 23. antonomásia 24. ironia 25. assíndeto

Um comentário

  1. Acir Tadeu Cardoso 2 de setembro de 2017 at 11:44 - Reply

    colaboração para cultura

Deixe um comentário