Manoel de Barros“É preciso desinverntar os objetos. O pente, por exemplo. É preciso dar ao pente funções de não pentear. Até que ele fique  disposição de ser uma begônia. Ou uma gravanha. Usar algumas palavras que ainda não tenham idioma”19/12/1916 – 13/11/2014