sem-limites-cenaPublico uma das cenas que mais me chamou a atenção no filme Sem Limites a que assisti ontem: uma “chuva” de letras.

Quem escreve, sabe que têm dias em que a inspiração não vem. Não adianta forçar. É aquele momento em que o silêncio toma conta e as palavras simplesmente evaporam.

Eddie, personagem interpretado por Bradley Cooper, vive esse momento em que seu potencial se anula e ele não consegue produzir. Desesperado por não ser capaz de terminar o livro para o qual foi contratado, ele começa a fazer uso de uma droga experimental (NZT) que libera todo o potencial de sua mente. Após ingeri-la, cerca de trinta segundos, Eddie consegue liberar todo o conhecimento adquirido ao longo dos anos. Ele passa a ser um cérebro cem por cento funcional e com uma velocidade de raciocínio impressionante. Nada mais é um obstáculo para ele.

O maior problema é quando o efeito da droga acaba e ele descobre o poder devastador que ela causa no organismo. O dilema passa ser o seguinte: continuar com uma ilimitada capacidade artificial de raciocínio ou assumir as limitações naturais que todo ser humano apresenta?

Por Céu Marques